Pesquisar este blog

quinta-feira, 17 de maio de 2018


ESCOLA CARIOCA DE MODA PRAIA

(fotos de alunas do acervo ECMP - proibida a divulgação)
Com a globalização é imprescindível que todas as empresas de confecção se ajustem às novas exigências do mercado e, com isso, continuem competindo de forma profissionalizada. A qualidade dos produtos é fator fundamental para o sucesso nas vendas, e se a modelagem/corte/costura das peças estiverem perfeitas, mais esse produto será valorizado! Atentos à essas necessidades contemporâneas de mão-de-obra de alto-nível de qualificação, o Instituto Milano, está prestes a inaugurar a Escola Carioca de Moda Praia, tomando como fator principal o destaque do crescimento do segmento de Moda Praia no Rio de Janeiro.
A partir das nossas aulas nas Unidades em Niterói-RJ, Nova Friburgo-RJ, e Barra-RJ, percebemos pela procura, a real necessidade de formação de profissionais específicos, que atuassem nesse mercado. 
Objetivo: “Nossa intenção é atingir, com informação qualificada, o maior número possível de profissionais, empresários e estudantes ligados à moda em prol do crescimento e profissionalização desse segmento, na Capital e nos Municípios do Estado do Rio de Janeiro".
Público-Alvo: Modelistas, Cortadores, Costureira (os), Compradores, Gerentes, Supervisores, Vendedores, Consultores de qualidades, Pilotista, Cadista, Estudante de Moda, Empresários.
Missão: Para a Indústria Têxtil ao Comércio Lojista: Qualificar, atualizar, a mão-de-obra específica para o segmento beachwear.
Cursos Específicos: Modelagem Industrial ( Ampliação e Redução, Enfesto, Corte, Risco, Marcações, Costura, Plotagem, Revisão, Acabamento, Embalagem ) - Fashion Design ( Croqui, Pesquisa, Desenvolvimento e Planejamento de Coleção) - Fashion Buyer/Retail ( Atacado e Varejo ) - CAD/CAM ( Operador de Cad p/ Modelagem) - Cursos de Comunicação em Moda ( Mídias Sociais, Jornalismo, Fashion Business, Marketing de Moda, Marca e Mídia )
Info (21) w.app 98275-6647
Em tempo:
__________ " Em moda praia, o estado do Rio é o maior exportador do País desde 2012, quando ultrapassou São Paulo que historicamente liderava o ranking. Desde então, as vendas para o exterior só crescem: o aumento foi de 15% nos últimos quatro anos. Quase metade de tudo o que é exportado de moda praia brasileira sai das confecções fluminenses". (http://www.jb.com.br/economia/noticias/2017/04/26/firjan-lanca-marca-para-valorizara-moda-do-rio-de-janeiro/)
__________ "O Brasil é referência mundial na moda praia. Este segmento apresenta grande visibilidade no cenário internacional de moda, movimenta a economia nacional, e vêm ocupando posição de destaque entre os produtos de exportação. As praias cariocas, do norte e nordeste do país, são frequentadas por olheiros e jornalistas de moda internacional que formam opinião a respeito do biquíni brasileiro." (http://cinm.org.br/cinm/anais/2017/03_04_04_A%20moda%20praia.pdf)

terça-feira, 8 de maio de 2018

Investir no conhecimento

A qualificação dos recursos humanos é hoje um fator-chave da competitividade de uma empresa e a escada para subir na escala de valor. Dê a conhecer a oferta formativa da sua universidade, escola ou centro de formação no suplemento especial “Investir no Conhecimento”.

Numa altura em que, mais do que nunca, a formação inicial e contínua dos recursos humanos é fator crucial na competitividade da Indústria Têxtil e Vestuário (ITV), com cada vez mais empresas a investirem na qualificação dos seus trabalhadores, o Jornal Têxtil volta a publicar este suplemento dedicado à divulgação da oferta formativa das universidades, escolas e centros de formação com cursos direcionados para esta indústria.
A ser publicado na edição de maio do Jornal Têxtil, o especial “Investir no Conhecimento” constitui, por isso, uma oportunidade imperdível para promover a sua oferta formativa junto dos profissionais do sector, mas também jovens interessados em prosseguir profissões e desenvolver carreiras na ITV.
Aproveite esta oportunidade para reforçar a notoriedade da sua instituição e dos cursos que leciona junto da Indústria Têxtil e Vestuário e conquistar novos formandos e alunos.
Para mais informações, por favor, contacte Elsa Brito (Jornal Têxtil) através do e-mail ebrito@portugaltextil.com ou pelo telefone 22 6191010.

Jeans duram meio século

A “Half Century Jeans”, uma campanha de financiamento coletivo lançada na plataforma Kickstarter quer colocar no mercado jeans “indestrutíveis”, com garantia de 50 anos – incluindo reparações gratuitas durante o período.
Se conseguir lançar o produto, a “Half Century Jeans” pretende vender os jeans por 69 libras. De acordo com a página da Kickstarter, os jeans «são tão confortáveis como o nosso par de jeans favorito», apresentando apenas alguns ajustes. Isto é, em vez da mistura tradicional de algodão usada pela maioria das marcas, os jeans contam com «materiais híbridos especiais», incluindo denim selvagem japonês e fibras Spectra. As fibras Spectra são, de acordo com a produtora de fibras, 15 vezes mais resistentes do que os cabos de aço usados em atividades desportivas como a escalada.
Além da resistência ao rasgo, os jeans são também resistentes a produtos químicos. Paralelamente, a “Half Century Jeans” revela uma forte preocupação com o meio ambiente, considerando que os jeans que duram meio século são uma resposta à poluente indústria da moda rápida.
Par indestrutível
A campanha “Half Century Jeans” está a ser promovida pela Tom Cridland, empresa que carrega o nome do seu fundador – um jovem empresário britânico – e é a responsável pelo desenvolvimento de uma camisola que dura 30 anos.
A “30 Year Sweatshirt”, apresentada por Tom Cridland em 2016, alia o antigo saber e trabalho manual a um tratamento único de silicone, aplicado na malha, que impede que a camisola encolha. Porque os artigos têm um preço acessível – 65 libras para as camisolas de manga comprida e 35 libras para as de manga curta –, os clientes da “30 Year Sweatshirt” podem também economizar dinheiro a longo prazo.
«São feitas de algodão orgânico com um pouco de poliéster, algo que pode não ser tão glamouroso, mas que é verdadeiramente útil para a funcionalidade, mobilidade e conforto», explicou, à data lançamento, Tom Cridland, à agência Reuters, destacando que os fabricantes são portugueses (ver Menos é mais no retalho online). «Escolhi Portugal porque sou meio português, eles são a razão pela qual escolhi os “30 anos”. Pedi-lhes “mostrem-me a camisola mais antiga que fizeram” e eles, que trabalham como fornecedores desde 1964, mostraram-me uma camisola do final dos anos 1970 que ainda estava em perfeitas condições», contou o jovem empresário.
Cridland considera que a empresa epónima pode constituir uma alternativa acessível e ética à moda rápida, na qual os consumidores pagam preços baixos por vestuário de baixa qualidade e que depois sentem a necessidade de substituir regularmente.

Roupa interior que não precisa de ser lavada? Sim, já há quem venda. Mas haverá quem queira usar?

A marca dinamarquesa Organic Basics criou uma linha de roupa interior inspirada na NASA que "pode passar semanas sem ser lavada".

MARIANA DA SILVA GODINHO
"Faça mais, lave menos" é o slogan utilizado pela  Organic Basics para apresentar a nova coleção de camisolas, meias e roupa interior que "aguenta semanas sem ser lavada". A iniciativa da marca dinamarquesa pretende ser mais amiga do ambiente: gastamos menos água, perdemos meos tempo e gastamos menos energia a lavá-las.
Os criadores explicam que "a indústria da moda é tramada, mas sabia que lavar e secar roupa é o correspondente a dois terços do impacto ambiental de uma peça de roupa? Na nossa opinião, este problema precisa de ser resolvido pela indústria da moda primeiro (que somos nós). Acreditamos em estabelecer padrões mais elevados e liderar o caminho quando se trata de moda sustentável.”
A coleção SilverTech 2.0 vai oferecer aos compradores uma sensação de frescura mais duradora, uma vez que é feita por uma fórmula de prata (utilizada pela NASA na Estação Espacial Internacional para purificar a água) de alta tecnologia que, supostamente, mata 99,9% das bactérias e odores, e também porque as peças são respiráveis - as zonas de onde suamos mais vêm com ventilação.
As peças desta coleção são feitas através de materiais 100% reciclados, não têm costuras e ajudam a regular a temperatura corporal em situações tanto de frio como de calor. O processo de criação "é puramente mecânico, economiza as emissões de CO2 e uso da água até 90%."
A SilverTech 1.0 antecedeu esta coleção e foi considerada a campanha mais bem sucedida na Península Escandinava. Teve mais de 1.900 apoiantes de 22 países. Este novo lançamento já ultrapassou a sua meta original de 20 mil libras e arrecadando até agora mais de 37 mil.